SKLL Games

Site que trata de Monster Game, Mu e Dicas
 
InícioPortalFAQBuscarRegistrar-seMembrosGruposLogin

Compartilhe | 
 

 times

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Ir em baixo 
AutorMensagem
Matheus
Participante Ativo
Participante Ativo


Mensagens : 145
Data de inscrição : 26/08/2007
Idade : 23

MensagemAssunto: times   Qui Set 06, 2007 2:54 pm

calma !

não é so pra colocar time o qual vc torce ! e sim a historia dele ( melhores jogadores , titulos , etc ) Wink

CRUZEIRO ESPORTE CLUBE

HISTÓRIA

O Cruzeiro Esporte Clube foi fundado em 2 de janeiro de 1921 por desportistas da colônia italiana de Belo Horizonte com o nome de Societá Sportiva Palestra Itália. As cores adotadas, como não poderia deixar de ser, foram as mesmas da bandeira italiana: verde, vermelho e branco. O primeiro uniforme do clube foi camisa verde, calção branco e meias vermelhas. O clube foi restrito apenas à participação de elementos da colônia até o ano de 1925, quando abriu as portas para desportistas de qualquer nacionalidade.

Classe trabalhadora
Além de se caracterizar como uma equipe de descendentes de italianos, o Palestra também se destacava por possuir elementos da classe trabalhadora de Belo Horizonte. No corpo social do Palestra prevaleciam homens da profissão de pedreiros, policiais, pintores, comerciários e marceneiros, que eram os filhos dos imigrantes que vieram construir a capital do estado de Minas Gerais, Belo Horizonte, em 1894, e que herdaram de seus pais a mesma profissão.

Mudança de Nome
Em janeiro de 1942, o Brasil entrou na 2a Guerra Mundial e um decreto lei do governo federal impediu o uso de termos das nações inimigas em entidades, instituições, estabelecimentos, etc. Com isso, o nome Itália foi retirado e a diretoria e os sócios do clube levaram 10 meses para criarem um nome e um novo símbolo para o clube que fosse totalmente brasileiro. Em outubro, um consenso dos diretores aprovou o nome Cruzeiro Esporte Clube por ser a constelação do Cruzeiro do Sul o maior símbolo da pátria brasileira. O uniforme também mudou para camisa azul, calção e meias brancas.

Força do Futebol Brasileiro
Com o tempo, o Cruzeiro foi se destacando como uma força do futebol brasileiro e, atualmente, com 7 títulos internacionais é o clube brasileiro que mais possui conquistas em competições de caráter oficial organizadas pela Confederação Sul Americana de Futebol: duas Taças Libertadores de 1976 e 1997; duas Supercopas de 1991 e 1992; uma Recopa em 1999; uma Copa Ouro em 1995 e uma Copa Master em 1995. No âmbito nacional, o Cruzeiro sagrou-se seis vezes Campeão Brasileiro com a conquista da Taça Brasil de 1966, das Copas do Brasil de 1993, 1996, 2000 e 2003 e do Campeonato Brasileiro de 2003. Além destas conquistas, o Cruzeiro também é 31 vezes Campeão do Estado de Minas Gerais.

Paixão de um Povo
Por ter se caracterizado como um clube dos trabalhadores, o Cruzeiro não poderia deixar de ser a paixão de todo o povo do estado de Minas Gerais. Segundo uma pesquisa realizada por um dos institutos de pesquisa mais abalizados no país, o Datafolha, para a Revista Placar no mês de novembro de 2002, o Cruzeiro é a primeira torcida do Estado. A massa celeste detém o dobro do 2º colocado e é a 4ª maior torcida da região sudeste.


PRESIDENTES

AURÉLIO NOCE
Período: 1921 a 1922

ALBERTO NOCE
Período: 1923 a 1924

AMÉRICO GASPARINI
Período: 1925 a 1926; 1928

ANTÔNIO FALCI
Período: 1927; 1929 a 1930


BRAZ PELEGRINO
Período: 1927 a 1928

LIDIO LUNARDI
Período: 1931 a 1932


JOSÉ VIANA DE SOUZA
Período: 1933

MIGUEL PERRELLA
Período: 1933 a 1936


ROMEO DE PAOLI
Período: 1936

OSVALDO PINTO COELHO
Período: 1936 a 1940


ENNES CYRO PONI
Período: 1941 a 1942


JUNTA GOVERNATIVA JOÃO FANTONI,
WILSON SALIBA E MARIO TORNELI
Período: 1942


MÁRIO GROSSO
Período: 1942 a 1947

FERNANDO TAMIETTI
Período: 1947; 1950


ANTÔNIO CUNHA LOBO
Período: 1947 a 1949


ANTÔNIO ALVES SIMÕES
Período: 1949


MANOEL F. CAMPOS
Período: 1950


DIVINO RAMOS
Período: 1951


JOSÉ GRECO
Período: 1952 a 1953; 1955


WELLINGTON ARMANELLI
Período: 1954



JOSÉ FRANCISCO LEMOS FILHO
Período: 1954


EDUARDO S. BAMBIRRA
Período: 1955 a 1956



MANOEL A. DE CARVALHO
Período: 1957 a 1958


ANTONINO BRAZ LOPES PONTES
Período: 1959 a 1960



FELICIO BRANDI
Período: 1961 a 1982


CARMINE FURLETTI
Período: 1983 a 1984


BENITO MASCI
Período: 1985 a 1990


SALVADOR MASCI
Período: 1990


CÉSAR MASCI
Período: 1991 a 1994


JOSÉ PERRELLA DE OLIVEIRA COSTA
ZEZÉ PERRELLA
Período: 1995 a 2002


ALVIMAR DE OLIVEIRA COSTA
Período: 27/12/2002

HINOS

Esta é a letra do hino que foi composta por Miraglia


Entusiasmados com a campanha do Palestra em seu primeiro ano de existência o maestro Arrigo Buzzacchi e Tolentino Miraglia compuseram o "Hino ao Palestra", que foi publicado pelos jornais da capital em 5 de maio de 1922. Eis a letra do hino que foi composta por Miraglia:

"No campo da lucta/
entramos, contentes/
sentindo, frementes/
as almas vibrar/
E deste entusiasmo/
nos nasce a pujança/
na firme esperança/
de sempre ganhar/
Que seja o Palestra/
escola elevada por nós consagrada/
à força e ao valor (Bis)

Saindo do campo/
da nossa vitória/
sabemos a glória/
no peito guardar/
Não vá nosso orgulho ferir, quem contente/
conosco valente/
soubera jogar/
refrão com bis

Porque se de fato/
na luta renhida/
tão bela partida/
soubemos ganhar/
não temos conosco
razão que nos há/
de cortar a amizade/
e os ódios gerar/
refrão com bis

E se, porventura/
na luta perdermos/
e justo sabermos/
sorrindo calar/
Fazendo desporto
não temos em mira/
nem ódio, nem ira/
mas sim prosperar/
refrão com bis

E sejam as iras/
no peito guardadas/
tremendas, sagradas/
se a pátria chamar/
E com a pujança da força educada/
a pátria adorada/
saibamos honrar.

hino atual

Existe um grande clube na cidade
Que mora dentro do meu coração
Eu vivo cheio de vaidade,
Pois na realidade é um grande campeão
Nos gramados de Minas Gerais
Temos páginas heróicas, imortais

Cruzeiro, Cruzeiro querido
Tão combatido, jamais vencido !
Voltar ao Topo Ir em baixo
Ver perfil do usuário
Matheus
Participante Ativo
Participante Ativo


Mensagens : 145
Data de inscrição : 26/08/2007
Idade : 23

MensagemAssunto: Re: times   Qui Set 06, 2007 3:03 pm

Toca da Raposa I

A Toca da Raposa I foi inaugurada em 3 de Fevereiro de 1973, se tornando o primeiro centro de treinamentos projetado para concentração de uma equipe de futebol no Brasil.

Construída em um terreno de 53 mil metros quadrados. O Complexo disponibiliza aos atletas e Comissão Técnica das categorias de base do Cruzeiro quatro campos de treinamentos, vestiários, sala de musculação e departamento médico.

Um pavilhão de 100x25 metros abriga o hotel com 18 apartamentos, cinema, salão de jogos e os escritórios administrativos.

A Toca da Raposa I recebeu a Seleção Brasileira por três vezes. Em duas ocasiões nos preparativos para as Copas do Mundo de 1982 e 1986 e ainda a Seleção Brasileira de Novos, que venceu o Pan-americano de Indianápolis em 1983.

Com a Inauguração da Toca da Raposa II, em 9 março de 2002, a Toca I passou a ser utilizada exclusivamente pelas categorias de base do Clube e para o intercâmbio internacional de atletas em formação, principalmente do Japão e Coréia.

Além da estrutura esportiva, a Diretoria cruzeirense também se preocupa com a formação educacional dos atletas. Funcionando desde 2001 nas dependências da Toca da Raposa I, os garotos da base podem contar com a Escola Alternativa com ensino Fundamental e Médio, com carga horária específica para os 200 alunos/atletas.

Toca da Raposa II


Uma concentração 5 estrelas
O projeto de construção da Toca da Raposa II teve início em 29 de junho de 1997, na administração Zezé Perrella.

Localizada no Bairro Trevo, na região da Pampulha, em uma área de 86 mil metros quadrados, a Toca II possui edificações que ocupam um espaço de 4.200 metros quadrados.

São quatro campos de treinamentos, todos com medidas oficiais, sendo dois com as dimensões do gramado do Mineirão.

Os atletas, Comissão Técnica e Diretoria têm a sua disposição um hotel com 17 apartamentos, refeitório, salão de jogos, cinema e escritórios administrativos.

A Toca II possui ainda centro médico, academia de musculação com aparelhos computadorizados, completo departamento de fisioterapia, piscina térmica coberta, saunas, vestiários.

A Toca da Raposa II foi inaugurada no dia 9 de março de 2002 com a presença do então Ministro da Educação, Cultura e Esportes, Carlos Melles, e do técnico da Seleção Brasileira de Futebol Luis Felipe Scolari que na época preparava a Seleção para a disputa da Copa do Mundo de 2002.

A Toca II já se tornou uma nova atração turística de Belo Horizonte. Um espaço constantemente visitado por cruzeirenses de todas as partes do país, além de apaixonados pelo futebol, que querem ver de perto a modernidade do Centro de Treinamentos do Cruzeiro Esporte Clube.

Sede Administrativa





Com obra iniciada no ano de 2000, na gestão Zezé Perrella, a Sede Administrativa do Cruzeiro Esporte Clube foi inaugurada no dia 5 de agosto de 2003. O prédio tem linhas arrojadas e modernas e está localizada no Barro Preto, em uma área 4.300m.
O edifício possui oito andares, abriga todos os setores administrativos do clube e os novos departamentos que surgiram para acompanhar o crescimento do Cruzeiro e a visão profissional que a Diretoria empreende em sua administração.

Projetado pelo arquiteto Fernando Oliveira Graça, o prédio é todo revestido de vidro azul laminado, espelhado, ajustado a uma torre de circulação vertical revestida em porcelanato branco. A sede destaca as cores oficiais do clube.

Sua estrutura física abriga uma garagem coberta para 54 veículos e um hall para os serviços de atendimento aos sócios. Do quarto ao sexto andares, funcionam os setores de Relações Públicas, Marketing, Tecnologia, Superintendências, Gerência Administrativa, Departamento de Pessoal, Contabilidade, Financeiro, Compras e Cobranças. No sétimo andar, estão instalados os gabinetes do presidente, dos vice-presidentes, sala de reuniões e sala da Presidência do Conselho. No oitavo andar, fica a sala de reuniões do Conselho Deliberativo e área de treinamento pessoal.

Os segundo e terceiro andares da sede vão abrigar o Memorial do Cruzeiro, com a exposição de todo acervo relacionado à história do clube. O espaço vai contar com um centro de informações audiovisual, no qual os visitantes poderão rever jogos, lances históricos de gols, dados sobre jogadores atuais e todos outros que marcaram época com a camisa cruzeirense.

TITULOS

TÍTULOS ESTADUAIS

Campeonato Mineiro2006, 2004, 2003, 1998, 1997, 1996, 1994, 1992, 1990, 1987, 1984, 1977, 1975, 1974, 1973, 1972, 1969, 1968, 1967, 1966, 1965, 1961, 1960, 1959
Supercampeonato Mineiro2002
Copa dos Campeões de Minas Gerais1999, 1991
Torneio ADEMG - Mineirão 20 anos1985
Taça Minas Gerais1983, 1982, 1973
Torneio Início1966, 1948, 1944, 1943, 1941, 1940, 1938, 1929, 1927, 1926
Copa Belo Horizonte1960
Campeonato da Cidade de BH1956*, 1945, 1944, 1943, 1940, 1930, 1929, 1928, 1926**
(*) 2 campeões neste ano: Cruzeiro e Atlético
(**) 2 campeões em 2 ligas neste ano: Cruzeiro e Atlético




TÍTULOS INTERESTADUAIS

Copa São Paulo de Futebol Júnior2007
Copa Sul-Minas2002, 2001
Copa Centro-Oeste1999




TÍTULOS NACIONAIS

Campeonato Brasileiro2003
Copa do Brasil2003, 2000, 1996, 1993
Taça Brasil1966




TÍTULOS INTERNACIONAIS

Recopa Sul-Americana1998
Copa Libertadores da América1997, 1976
Copa Ouro Sul-Americana1995
Copa Master da Supercopa1995
Supercopa dos Campeões da Libertadores da América1992, 1991


lol! lol! lol! lol! lol! lol! lol! lol! lol! lol! lol!
Voltar ao Topo Ir em baixo
Ver perfil do usuário
Arthur Pacheco
Administrador do Fórum
Administrador do Fórum


Mensagens : 210
Data de inscrição : 22/08/2007
Idade : 23
Localização : Rio de Janeiro - RJ

MensagemAssunto: Re: times   Sex Set 07, 2007 4:20 pm

1900 - 1934: do Paulistano ao São Paulo da Floresta

O São Paulo Futebol Clube como conhecemos hoje teve sua fundação oficial em 1935. Mas a história do clube começa bem antes disso. O ano é o de 1900, pra ser mais exato, quando da fundação do Clube Atlético Paulistano .

O Paulistano era a grande potência do futebol paulista e brasileiro no início do século XX. Nesse time jogavam Arthur Friedenreich, grande futebolista do país nas décadas de 10 e 20. Conquistou o Campeonato Paulista por onze vezes e foi o primeiro time brasileiro a fazer uma excursão à Europa (em 1925), onde obteve um desempenho excelente. O Paulistano, no entanto recusou-se a aderir ao profissionalismo no futebol. Decidiu então encerrar suas atividades no futebol , embora, como clube social e de esportes amadores exista até hoje. O mesmo destino teve, no ano de 1929 a Associação Atlética das Palmeiras.

Em 26 de Janeiro de 1930, nasceu o São Paulo Futebol Clube, com jogadores e as cores vermelha e branca vindos do Paulistano (e futebolistas já consagrados como Araken, Friedenreich e Waldemar de Brito), e com o branco e o negro cedido pelo A.A. das Palmeiras, além de ter herdado deste o campo da Chácara da Floresta. O primeiro presidente do novo clube foi eleito pelos sócios: o dr. Edgard de Souza.

No mesmo ano, o time foi vice-campeão paulista e, em 1931, o São Paulo conquistou seu primeiro título estadual com Nestor (Joãozinho); Clodô e Barthô; Milton, Bino e Sasse; Luisinho, Siriri (Armandinho), Fried, Araken e Junqueirinha, e Rubens Salles de técnico. E em 1933, o São Paulo da Floresta bateria o Santos por 5 a 1 na primeira partida de futebol profissional do Brasil. No entanto, o clube conheceu uma séria crise financeira . Dirigentes adquiriram uma luxuosa sede na Rua Conselheiro Crispiniano (no centro da cidade), um palacete chamado Trocaderoo que acabou acarretando em uma dívida de 190 contos de réis. O fato ocasinou a fusão com o Clube de Regatas Tietê, que determinou que não se usassem cores, uniformes e vários outros símbolos do São Paulo - dando em troca o campo da Floresta e extinguindo o departamento de futebol em 14 de maio de 1935.


1935 - 1939: o clube da fé
O primeiro presidente do clube, Manoel do Carmo Meca, bem como seu outros fundadores e refundadores (Cid Mattos Viana, Francisco Pereira Carneiro, Eólo Campos, Manoel Arruda Nascimento, Izidoro Narvais Caro, Francisco Ribeiro Carril, Porphírio da Paz, Eduardo Oliveira Pirajá, Frederico A G. Menzen, Francisco Bastos, Sebastião Gouvêa, Dorival Gomes dos Santos, Deocleciano Dantas de Freitas e Carlos A. Azevedo Salles Jr.) jamais aceitaram o fim definitivo de sua paixão. Tanto que, logo depois da fusão com o Tietê, que sepultou o São Paulo da Floresta, aqueles obstinados deram à luz o Grêmio Tricolor. O objetivo, segundo eles, era manter vivo o futebol da velha "família paulistana". O Grêmio daria origem ao Clube Atlético São Paulo, no dia 4 de junho de 1935, e, finalmente, ao São Paulo Futebol Clube atual, fundado em 16 de dezembro daquele mesmo ano. Depois de tantas ressurreições, o clube passou a ser conhecido como o "Clube da Fé".

Dessa vez, o tricolor paulista havia nascido pobre. Os primeiros jogadores foram trazidos do Paraná pelo presidente e pelo primeiro técnico, Armando Del Debbio. De Curitiba, vieram o goleiro King e os médios José e Segoa. O primeiro jogo era contra a Portuguesa Santista no dia 25 de Janeiro de 1936. Era aniversário de São Paulo e a Secretaria de Educação havia proibido a realização de manifestações públicas que pudessem concorrer com uma parada realizada na Avenida Paulista naquele mesmo dia e horário. Porphyrio da Paz, diretor de futebol e autor do hino do clube, foi para a Paulista, subiu no palanque das autoridades e só voltou de lá com uma autorização assinada pelo secretário Cantídio Campos, permitindo ao Mais Querido jogar pela primeira vez.

O clube já nasceu muito popular, uma vez que tinha reunido as torcidas do Paulistano e da A. A. das Palmeiras. Esse time, no entanto era muito fraco: ficou só em oitavo no Campeonato Paulista de 1936 e em sétimo no de 1937. Nem sequer conseguiu a classificação para a fase decisiva do campeonato, que contou com seis times. Decidiram então reforçar o time com uma nova fusão, dessa vez com o Estudante Paulista, do bairro paulistano da Mooca e criado também por ex-simpatizantes do Paulistano. Na nova fusão, o São Paulo ganhou nove jogadores: Pedrosa (goleiro e futuro presidente do clube), Agostinho, Inocêncio, Ponzoníbio, Lisandro, Mendes, Armandinho, Araken e Paulo. Com eles, o Tricolor, até então um time tecnicamente inexpressivo, chegou ao vice-campeonato paulista de 1938. E teria ficado com a taça não fosse uma decisão polêmica do juiz que deu um gol duvidoso do atancante Carlinhos (ele teria usado a mão), empatando o jogo, resultado que deu o título ao Corinthians.


1940 - 1950: o rolo compressor
Em 1940, quando inaugurado o Pacaembu, o futebol de São Paulo começa uma nova era. O São Paulo foi o clube que melhor aproveitou o momento. Em 1941, mais um vice-campeonato paulista. Em 1942, a extravagância: Por 200 contos de réis (o equivalente hoje a R$ 162 mil) o São Paulo contratou Leônidas da Silva, jogador do Flamengo, considerado o grande craque da época. Mas não parou por aí. Já assumindo a condição de time grande, em seguida trouxe grandes nomes como o argentino António Sastre, Noronha, Bauer, Zezé Procópio, Luizinho, Rui e Teixeirinha. Com eles, o Tricolor formou o famoso time conhecido como "Rolo Compressor", campeão cinco vezes nos anos 40, incluindo dois bicampeonatos (1945 e 1946; 1948 e 1949).

A conquista de 1943 teve um sabor todo especial, porque interrompeu a dobradinha Palestra Itália - Corinthians, que se revezavam como campeões desde 1936. Havia uma piada correndo na imprensa na época, que se dizia que o campeonato seria decidido no Cara ou Coroa: se no início do campeonato paulista a moeda fosse jogada e caísse de um lado daria Palestra. Do outro, o Corinthians seria o campeão. Quando o São Paulo foi campeão, foi então dito que "a moeda caiu em pé". Em 1945, o título veio com uma única derrota, e, em 1946, o São Paulo foi bicampeão de forma invicta. Nesse momento, o clube já havia se instalado no Estádio do Canindé, terreno depois vendido à Portuguesa para viabilizar a construção do estádio do Morumbi. Com o bicampeonato de 1948 e 1949, o Tricolor fecha com glória os anos dourados de Leônidas da Silva. Tempos em que, segundo os torcedores mais fanáticos, "ninguém perguntava se o São Paulo ia ganhar, mas de quanto o São Paulo ia ganhar". Tanto que poucos se importam com o tremendo escorregão de 1950 que tirou o tri paulista do Tricolor.


1951 - 1957: vacas magras

O começo dos anos 50 não foi de grandes títulos. Talvez porque a torcida e os dirigentes do Tricolor já estivessem nas nuvens com a possibilidade de um novo estádio. Apesar disso, o São Paulo foi campeão paulista de 1953, impedindo que o Corinthians fosse tri. Já com um elenco bastante renovado em relação ao da década anterior, o time teve como desempenho 24 vitórias, 2 empates e apenas 2 derrotas em 28 jogos disputados. O time base do campeonato foi: Poy, De Sordi e Mauro; Pé-de-Valsa, Bauer e Alfredo; Maurinho Albella, Gino, Negri e Teixeirinha.

Apesar da campanha, o São Paulo só seria campeão novamente em 1957. Naquela ocasião o time tinha a experiência do carioca Zizinho, já com 35 anos no campo e o treinador húngaro Bela Guttmann no banco. Numa partida tumultuada com o Corinthians o São Paulo acabou levando a taça pelo placar de 3 a 1. Daquele momento em diante, com o surgimento do Santos de Pelé e a construção do Morumbi consumindo todos os esforços e recursos, o São Paulo teria o maior jejum de títulos da sua histórias.


1958 - 1969: estádio e nada mais

Com o planejamento voltado para a construção do Estádio do Morumbi, o São Paulo simplesmente deixou de contratar. Nos doze anos que se seguiram ao título de 1957, não houve qualquer conquista relevante. A primeira parte do estádio foi concluída em 1960 e recebeu o nome de Cícero Pompeu de Toledo em homenagem ao presidente que havia feito grandes esforços para a construção do estádio, mas falecido antes de sua conclusão. O aperto no orçamento fez com que o clube vivesse de jogadores inexpressivos, como o goleiro Suli, o lateral Deleu, o zagueiro Gildásio e o atacante Nondas. Alguns valores como os zagueiros Roberto Dias e Jurandir até que tentavam dar um pouco de dignidade à defesa. Mas assim como os craques, os momentos de alegria também eram escassos.

_________________
=> Vai te morder

Voltar ao Topo Ir em baixo
Ver perfil do usuário http://sklldcias.buyforum.net
Arthur Pacheco
Administrador do Fórum
Administrador do Fórum


Mensagens : 210
Data de inscrição : 22/08/2007
Idade : 23
Localização : Rio de Janeiro - RJ

MensagemAssunto: Re: times   Sex Set 07, 2007 4:23 pm

Um deles é a goleada de 4 a 1 que fez o Santos de Pelé fugir de campo, no Campeonato Paulista de 1963. Quatro anos depois, em 1967, uma chance e tanto foi desperdiçada: bastava ganhar do já desclassificado Corinthians, na última rodada do campeonato, para o Tricolor recolocar as faixas de campeão paulista no peito, dez anos depois. O time vencia por 1 a 0, gol do volante Lourival, até os 44 minutos e 30 segundos do segundo tempo. Ao empatar aquele jogo com um gol de canela, o centroavante corintiano Benê acabou empurrando o São Paulo para um perigoso jogo extra contra o terrível Santos de Pelé. Que dessa vez ficou no gramado e acabou com o sonho dos são-paulinos.


1970 - 1975: a glória outra vez
Finalmente concluído o Morumbi em 1970, era hora de pensar no time novamente. Para a disputa do Campeonato Paulista daquela ano, vieram Gérson, do Botafogo, por 900 mil cruzeiros; Pedro Rocha, meia uruguaio do Peñarol; e Toninho Guerreiro, goleador do Santos. Com tanta gente de qualidade, foi fácil enterrar o incômodo jejum de títulos, que já entrava em seu décimo-terceiro ano. Uma conquista bem tranqüila, em que o principal rival foi a surpreendente Ponte Preta, recém-promovida à Primeira Divisão. Dirigido por Zezé Moreira, técnico da Seleção Brasileira na Copa do Mundo de 1954, o São Paulo alcançou a consagração com uma rodada de antecedência, vencendo o Guarani por 2 a 1 em Campinas.

Em 1971, ano do bicampeonato, a base era a mesma. Na decisão bastava o empate, mas o Tricolor não deixou por menos e bateu o Palmeiras por 1 x 0, gol de Toninho Guerreiro. Os sãopaulinos se divertem até hoje com o choro dos palmeirenses, que reclamam de um gol de cabeça de Leivinha, invalidado porque, segundo o árbitro Armando Marques, foi marcado com a mão. Na verdade, o gol foi de cabeça mesmo. Naquela mesma temporada, no primeiro Campeonato Brasileiro da história, o São Paulo ficou em segundo, atrás apenas do Atlético Mineiro comandado pelo técnico Telê Santana.

Nos anos seguintes, com a decadência progressiva do Santos de Pelé e o agravamento da crise do Corinthians (entrando em sua segunda década sem conquistas), São Paulo e Palmeiras repetiriam várias vezes um duelo particular. Em 1972, ambos terminaram o Campeonato Paulista invictos, mas o Palmeiras ficou com o título por ter um ponto a mais, conquistado justamente diante do Tricolor, com um 0 a 0 na última rodada. Em 1973, a briga foi em uma final de Campeonato Brasileiro. Novamente Palmeiras campeão, outra vez São Paulo vice. No ano seguinte, 1974, foi a vez de priorizar a Libertadores da América. O Tricolor chegou na final contra o Independiente, da Argentina. Mas o sonho parou nas mãos de um goleiro argentino chamado Gay.

A equipe de 1975, sob o comando do ex-goleiro José Poy, já tinha uma cara diferente daquela que era treinada até então por Zezé Moreira. Dos jogadores antigos, só restou Pedro Rocha, uruguaio comprado do Peñarol por US$ 150 mil e o maior ídolo daquele time. Mesmo assim o time manteve a trajetória vitoriosa dos primeiros anos da Era Morumbi. Ao lado do goleiro Waldir Peres, do volante Chicão e do centroavante Serginho, ele ajudou o São Paulo a ficar com mais uma taça de Campeão Paulista, derrotando a Portuguesa nos pênaltis.


1976 - 1979: tempos de afirmação

Waldir Peres, Chicão e Serginho foram também os donos da festa na campanha do Campeonato Brasileiro de 1977, conquistado no Mineirão, contra o franco favorito Atlético Mineiro. Foi nos pênaltis, depois do empate em 0 a 0 no tempo normal e na prorrogação. Era a primeira conquista nacional do São Paulo Futebol Clube, um clube cuja torcida começava a crescer também fora do Estado de São Paulo.

Nos anos seguintes, a presença tricolor nas fases decisivas dos campeonatos se torna mais constante, embora nenhum outro título relevante vá parar no Morumbi até 1980. O clube disputou a Libertadores em 1978 e chegou à final do Campeonato Paulista contra o Santos naquele mesmo ano. Apesar de ganhar a terceira partida decisiva por 2 a 0, perdeu o título para o adversário, dono de melhor campanha ao longo da competição. Tudo porque não conseguiu marcar mais um golzinho na prorrogação. Foram tempos marcados pelas diabruras do habilidoso ponta-esquerda Zé Sérgio e pelos gols do centroavante Serginho Chulapa, que desbancou o antigo ídolo Gino Orlando da condição de maior artilheiro da história do clube. A década termina com uma equipe cansada, que não participa do Campeonato Brasileiro de 1979. E que no Paulista é eliminada pelo Corinthians antes mesmo das semifinais. Sinal de que era hora de mudar tudo novamente.


1980 - 1990: década tricolor

Nos anos 1980, o São Paulo conquistaria um número impressionante de títulos, como nunca tinha feito, tanto no âmbito estadual quanto nacional. Logo em 1980, um Paulista iniciaria uma longa lista de troféus. Na zaga, talvez a melhor dupla de zaga de um time brasileiro em todos os tempos: Oscar e Dario Pereyra. Com técnica refinada e uma raça apaixonante, os dois atravessaram anos vencendo atacantes adversários. No ano seguinte, o São Paulo repetiria a dose ganhando mais um bicampeonato.

Em 1984, Cilinho prepararia uma safra de craques que faria época no clube. Depois de enfrentar a impaciência de alguns, o inteligente treinador revelaria ao mundo os "Menudos do Morumbi", uma equipe jovem, rápida e inteligente que ganharia o apelido de um grupo musical de adolescentes da época. Nomes? Nada menos que Silas, Müller e Sidney.

No mesmo ano, o Paulista já ficaria no Morumbi, com um time velocíssimo, talentoso e inteligente. O ataque tinha Careca, centroavante mortal que iria à Copa do Mundo de 1986, e o meio-campo tinha Falcão, recém-chegado da Itália, já considerado o "Rei de Roma".

As conquistas não paravam. Os "Menudos" amadureceram, e em 1986, o técnico Pepe lideraria o time para a conquista do segundo Campeonato Brasileiro, em cima do Guarani. Na final, um jogo eletrizante, que foi decidido nos pênaltis, depois que Careca marcou um golaço nos descontos da prorrogação, empatando o jogo. Aquele gol rendeu a Careca também o título de artilheiro do torneio. Mais um ano, mais um título. 1987 seria o "adeus" de Don Darío Pereyra da zaga Tricolor, e também a última taça levantada pelos "Menudos". A "Década Tricolor" ainda reservava mais um Paulistão, o de 1989.

_________________
=> Vai te morder

Voltar ao Topo Ir em baixo
Ver perfil do usuário http://sklldcias.buyforum.net
Arthur Pacheco
Administrador do Fórum
Administrador do Fórum


Mensagens : 210
Data de inscrição : 22/08/2007
Idade : 23
Localização : Rio de Janeiro - RJ

MensagemAssunto: Re: times   Sex Set 07, 2007 4:24 pm

1990 - 1995: a era Telê

Após um período de tantas vitórias, todos apostavam numa fase descendente do São Paulo. E o time deu mesmo essa impressão. Em 1990, o time não fez uma boa campanha no Campeonato Paulista. E para pôr ordem na casa, o time chamou o técnico Telê Santana, que ainda carregava a fama de "perdedor". O casamento entre São Paulo e Telê seria a união de maior sucesso na história do clube.

Telê chegou ao Morumbi em 1990, a tempo de levar o time à final do Brasileiro, vencida pelo Corinthians. Mas não foi nada. No ano seguinte, a vingança seria contra o mesmo Corinthians, só que no Campeonato Paulista. Um verdadeiro azar para os adversários, pois Telê lapidou seu time para arrasar nas finais.

Em 1991, O São Paulo já tinha a cara de Telê. O velho mestre soube como fazer o talento de Raí explodir, e não havia equipe brasileira que pudesse parar aquele time inteligente, leal e que pressionava o adversário durante 90 minutos. Depois de três finais de Brasileiro consecutivas, o São Paulo conquistaria seu terceiro título em cima do Bragantino de Carlos Alberto Parreira. Poucos acreditariam no que estava se armando.

Campeão Brasileiro, o São Paulo de Telê, Zetti e Raí começou a Libertadores como quem não quer nada, mas foi evoluindo durante a competição. No primeiro jogo da final, em Buenos Aires, o Newell's Old Boys venceu por 1 a 0, mas a torcida sabia que nada poderia segurar o time. No jogo de volta, uma cena inédita: horas antes do jogo, o Morumbi já não tinha lugar para mais ninguém, mas a torcida continuava chegando. As vias de acesso ao estádio ficaram entupidas. E empurrado por um estádio apinhado, finalmente o título da Libertadores, nos pênaltis!

O sonho do Mundial Interclubes em Tóquio finalmente chegara. O adversário era o Barcelona de Johann Cruyff - considerado o melhor Barcelona de todos os tempos - com cracaços como Koeman, Stoichkov e Laudrup. O Barcelona sai na frente, mas com dois gols de Raí, o mundo se curvava à obra de arte do time de Telê Santana. O São Paulo era o melhor time do mundo. "Se você tem de ser atropelado, é melhor que seja por uma Ferrari", disse Cruyff, após a partida, sobre a superioridade tricolor. Na volta, o São Paulo fez mais uma vítima, na final do Paulista: o Palmeiras, que amargava uma fila de 16 anos.

Raí ficou no São Paulo somente o suficiente para vencer mais uma Libertadores, contra o Universidad Católica. Deixou o clube para conquistar a França, mas foi substituído com outros craques. Telê remontou o São Paulo sem Raí para manter o título Mundial em Tóquio, pela segunda vez consecutiva. O adversário era o Milan de Fabio Capello (que tinha sido o único clube italiano a se sagrar campeão invicto na história). Numa partida eletrizante, o São Paulo esteve duas vezes em vantagem, com gols de Palhinha e Toninho Cerezo, mas Massaro e Papin pareciam estar decididos a estragar a festa. Quando o juiz já consultava o relógio, Muller fez valer a sua marca de predestinado e marcou um gol que jogou um balde d'água no Milan. São Paulo bicampeão do Mundial Interclubes!

Telê Santana ficou cinco anos no São Paulo. Neste período, venceu todas as competições possíveis de serem vencidas por um clube paulista (exceto a Copa do Brasil): Campeonato Paulista e Brasileiro, Libertadores, Copa Conmebol (com o time reserva, que acabou ganhando o apelido de Expressinho), Supercopa da Libertadores, Recopa da Libertadores, além dos torneios Ramón de Carranza, Teresa Herrera e o bi do Mundial Interclubes.


1995 - 2004: choque traumático pós-Telê

No início de 1995, por questões de saúde, Telê é obrigado a deixar o São Paulo, dando fim à época de ouro do time. Depois dele, entre 1995 e 2004, 14 técnicos passaram pelo tricolor sem se firmar. Nesses 10 anos, os únicos destaques do time liderado por Rogério Ceni, que também contou com Luis Fabiano e Kaká foram o Paulista de 2000 e o primeiro título do Torneio Rio-São Paulo destaque tambem para o titulo paulista de 1998 quando o Rei Raí voltou um dia antes da grande final e acabou sendo o destaque do jogo com um gol e com uma assistencia, em 2001. Émerson Leão assume o time no final de 2004, após fracasso na volta à Libertadores.


2005: Três títulos e o Tri Mundial

Em 2005, sob comando do técnico Émerson Leão, o São Paulo ganha força e inicia uma nova trajetória de conquistas, vencendo o Campeonato Paulista. Leão deixa o time, mas Paulo Autuori, que treinava até ali a Seleção Peruana, mantém um bom trabalho, levando a equipe à final da Copa Libertadores da América, contra o Atlético-PR, a primeira final da história entre dois times do mesmo país.

Com 1 a 1 fora e uma vitória de 4 a 0 no Morumbi, o São Paulo conquista a Libertadores da América de 2005 e se tornou o primeiro clube brasileiro a ser tricampeão dessa competição. Como campeão da Taça Libertadores da América, conquistou também a vaga para a disputa no Japão do Mundial de Clubes da FIFA.

A concentração no Mundial provocou uma camapanha no Campeonato Brasileiro abaixo das espectativas, acabando em 11º lugar (o que o classificaria para a Copa Sul-Americana, mas a CBF deu sua vaga para o Vasco por o São Paulo já estar classificado para a Libertadores devido ao fato de ser o campeão, provocando contradições com o regulamento do Campeonato Brasileiro).

A estréia no mundial aconteceu no dia 14 de Dezembro com uma vitória sobre o Al-Ittihad (campeão da Copa da Ásia) por 3 a 2. Com essa vitória veio a classificação para a final contra o time inglês do Liverpool FC, que se classificou batendo o Deportivo Saprissa, campeão da Concacaf, por 3 a 0 assumindo um franco favoritismo a ponto de o capitão do time, o meia inglês Steven Gerrard, dizer que naquele momento o time do Liverpool era imbatível.

Numa final muito disputada em Yokohama, o Tricolor sagrou-se Tricampeão Mundial de Clubes com o placar de 1 a 0, com gol de Mineiro, tornando-se o primeiro time brasileiro a alcançar os três títulos mundiais. Para completar a excelente temporada, o goleiro Rogério Ceni teve uma atuação antológica com lindas defesas segurando o resultado ganhando os prêmios de melhor jogador da partida e melhor jogador do mundial.


2006: Título brasileiro

Após o sucesso de 2005, o São Paulo começou a temporada 2006 como favorito nas competições que disputava, enfrentando diversas dificuldades desde o início do ano. Paulo Autuori, o treinador campeão mundial, deixou o clube para treinar o Kashima Antlers, no Japão. Veio substitui-lo Muricy Ramalho, ídolo do clube nos anos 70 e treinador na década de 90. Muricy vinha obtendo muito sucesso nos últimos anos, com diversos títulos estaduais pelo Náutico, Internacional-RS e São Caetano, e vinha de um trabalho respeitável no Brasileiro de 2005 pelo clube gaúcho, chegando ao vice-campeonato após o "escândalo do apito".

O clube reclamou bastante com relação a impossibilidade de uma pré-temporada adequada, já que veio realizando jogos até o começo de dezembro de 2005. Mas, no Campeonato Paulista venceu todos os clássicos (partidas contra os rivais Corinthians, Palmeiras e Santos) e teve o melhor ataque da competição, mas, quando não utilizou o time titular, foi superado pelo Santos na classificação.

Na Libertadores, o São Paulo fez uma boa campanha, apesar de ser batido pelo Chivas Guadalajara nas duas partidas da primeira fase, inclusive no Morumbi, quebrando uma invencibilidade de dezenove anos em seu estádio. A boa fase continuou nas Fases Finais, com vitórias importantes sobre Palmeiras, Estudiantes e o próprio Chivas para alcançar sua sexta final, contra o Internacional-RS. Contudo, com um futebol pouco convincente, o São Paulo foi derrotado no primeiro jogo no Morumbi por 2 a 1. O empate em 2 a 2 no segundo jogo em Porto Alegre deu o título aos gaúchos.

O São Paulo também disputou a Recopa Sulamericana, um torneio entre o campeão da Libertadores do ano anterior (no caso, o São Paulo) e o campeão da Sul-Americana do ano anterior (Boca Juniors). Em duas partidas muito equilibradas, os argentinos levaram a melhor com uma vitória de 2 a 1 em Buenos Aires e um empate em 2 a 2 em São Paulo.

No entanto, os três vice-campeonatos não seriam empecilho para o São Paulo dedicar-se ao Brasileiro, no qual se sagrou campeão pela quarta vez, no dia 19 de novembro de 2006, após ter passado várias rodadas na liderança (inclusive alcançando um recorde de 27 rodadas seguidas na liderança).

_________________
=> Vai te morder

Voltar ao Topo Ir em baixo
Ver perfil do usuário http://sklldcias.buyforum.net
Conteúdo patrocinado




MensagemAssunto: Re: times   Hoje à(s) 10:47 pm

Voltar ao Topo Ir em baixo
 
times
Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Voltar ao Topo 
Página 1 de 1
 Tópicos similares
-
» Fut. Europeu - 16/17
» A New Life... Times to Live!

Permissão deste fórum:Você não pode responder aos tópicos neste fórum
SKLL Games :: Principal SKLL :: SKLL Bar-
Ir para: